Quais os Riscos de se Comer Carne de Porco?


Muitas pessoas ainda têm dúvida sobre os riscos de comer carne de porco. Se ela estiver crua ou mal cozida pode acarretar uma série de problemas, incluindo doenças graves que podem gerar irreversíveis para a saúde.

Segundo um levantamento de 2013 da Consumer Reports, nos Estados Unidos cerca de 69% de 200 amostras de carne suína analisadas estavam contaminadas com bactérias perigosas (1). Dentre elas estavam: Salmonela, Listeria monocytogenes, Yersinia enteroclitica e Staphylococcus aureus.

Diversos estudos mostram que o porco é o hospedeiro de difetentes vírus e microrganismos. Dentre elas, estão a Taenia solium, a Trichinella spiralis e o Toxoplasma gondii – que podem ser transmitidos para os seres humanos através do consumo da carne mal cozida.

Outro fator que torna perigoso comer carne de porco é que a maioria dos produtores pecuários utiliza medicamentos para acelerar o crescimento do animal. Isso gera a contaminação do alimento, por conta dos altos níveis de toxinas.

Nove doenças que podem ser geradas por carne de porco

Esses são apenas alguns dos riscos de se comer carne de porco. Além de carnes cruas ou mal cozidas transmitirem enterobactérias, vírus e protozoários, elas podem gerar doenças extremamente graves, com consequências ainda piores. Veja algumas delas:

1 . Neurocisticercose

carne de porcoEssa doença gera uma infecção no cérebro, que afeta o sistema nervoso central. Ela é popularmente conhecida como “bicho do porco”. Isso porque uma das grandes causas do desenvolvimento desse distúrbio é o consumo de carne suína mal preparada (2).

A neurocisticercose é causada graças às larvas da Taenia, que também podem gerar a Teníase (mais conhecida como Solitária). Elas entram no organismo por meio do consumo de carne suína mal cozida. Também pode ser causada por outros alimentos e líquidos contaminados com ovos do verme.

Uma vez dentro do corpo humano, esses ovos viram larvas. Depois, começam a se deslocar por meio da corrente sanguínea, podendo contaminar qualquer órgão. A doença pode ter sintomas que variam de homens para mulheres.

Quando essas larvas chegam ao cérebro, podem gerar várias consequências e até mesmo levar a óbito. Veja as consequências mais comuns:

  • convulsões;
  • dores de cabeça;
  • cefaleias;
  • dificuldades em andar;
  • distúrbios psiquiátricos;
  • cegueira.

O tratamento dessa doença precisa ser feito com muito cuidado. Normalmente, ele consiste na prescrição de medicamentos como vermífugos. Contudo, dependendo do caso, a intervenção cirúrgica pode ser necessária.

Em casos mais graves, deve-se evitar o tratamento dos cistos gerados pela doença. Isso porque as reações aos medicamentos podem aumentar a inflamação do paciente, piorando, assim, o seu quadro geral.

2 . Hepatite E

Apesar de possuir menos casos no Brasil, e ocorrer mais frequentemente na África e na Ásia, ela também é um grande perigo para quem costuma comer carne de porco mal cozida. Esta é uma doença infecciosa viral transmitida através do vírus VHE (3).

Por ter pouquíssimos sintomas, que, além de tudo, são quase imperceptíveis, pode demorar a ser diagnosticada. Isso pode levar a uma piora no quadro do paciente (4, 5). Contudo, entre os sintomas que podem ocorrer estão: febre, fezes escuras, urina clara, muita dor abdominal e os olhos amarelados.

As Hepatites Virais (que incluem a A, B, C, D e E) são consideras um grande problema de saúde pública mundial. Para se ter uma ideia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 400 milhões de pessoas ao redor do mundo estão contaminadas (6).

Além disso, segundo a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), há cerca de dois milhões de pessoas com algum tipo de hepatite no Brasil. Contudo, apenas 300 mil sabem que sofrem da doença.

Esse é um quadro alarmante, principalmente por conta das consequências que essas doenças podem gerar.

Na maioria dos casos de Hepatite E, os pacientes não precisam de tratamento porque o próprio corpo humano produz anticorpos. Tudo que é necessário é uma reeducação alimentar baseada no consumo de pouca gordura, bem como muito repouso.

3 . Esclerose múltipla

carne de porcoEstima-se que, atualmente, cerca de 35 mil brasileiros sofram da doença, segundo um levantamento da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM) (7). Ela é um distúrbio neurológico que faz com que as células de defesa do organismo ataquem o sistema nervoso central.

Isso provoca uma série de lesões cerebrais e medulares, que podem trazer consequências graves para os pacientes. Além disso, ela é uma doença crônica e autoimune. A esclerose múltipla não tem cura e afeta, geralmente, homens e mulheres na faixa etária entre 20 e 40 anos.

Existe uma série de estudos que apontam que comer carne de porco pode deixar o corpo mais suscetível a doença (8). Isso porque, essa proteína animal possui várias bactérias e vírus, que estimulam a inflamação do organismo, deixando-o mais propenso a desenvolver a doença.

Entre os sintomas mais comuns da esclerose múltipla estão:

  • fadiga; problemas de equilibro e coordenação;
  • transtornos visuais;
  • alterações fonoaudiológicas;
  • transtornos cognitivos e emocionais;
  • problemas sexuai;
  • espasticidade (os membros começam a ficar mais rígidos e formigarem durante movimentos).

O tratamento da esclerose múltipla, na verdade, não irá curar a pessoa da doença. Ele apenas diminui a inflamação para que o paciente tenha uma qualidade de vida melhor (9).

O tratamento consiste, basicamente, na prescrição de medicamentos para a pessoa que sofre da doença, incluindo imunossupressores.

4. Câncer do Fígado

Segundo a Declaração Mundial Contra o Câncer, mais de 12 milhões de pessoas possuem algum tipo de câncer (10). No Brasil, anualmente são descobertos mais de 500 mil novos casos. O câncer de fígado também faz parte das estáticas, e é uma doença que acomete várias pessoas.

Esse distúrbio é divido em dois tipos: o primário e o secundário – também conhecido como metastático. O primeiro tipo está relacionado aos tumores que são originados no órgão. Já o segundo, é quando ele tem início em outro órgão e acaba chegando até o fígado.

Entre os sintomas mais comuns da doença estão: coceira, perda de peso, inchaço do abdômen, náuseas, baço e fígado aumentados, vômitos, febre e icterícia. Além disso, alguns tumores geram hormônios que podem ocasionar Hipercalcemia, Hipoglicemia, Ginecomastia e Eritrocitose.

O tratamento mais indicado para esse tipo de doença é a intervenção cirúrgica. Contudo, o paciente também pode precisar de outros tratamentos complementares. Como, por exemplo, a radioterapia e a quimioterapia.

Além disso, o paciente também pode precisar de uma Quimioembolização. Basicamente, ela consiste em uma intervenção no sistema do paciente feita à base de drogas e partículas de gel insolúvel, que serão utilizadas até que haja uma estagnação do fluxo das artérias que alimentam o tumor.

5. Cirrose

carne de porcoA cirrose é, basicamente, o que ocorre quando o fígado vai perdendo sua função, devido a lesões que foram cicatrizando ao longo do tempo. Isso ocorre quando há inflamações e agressões crônicas no órgão, que são desencadeadas pelo consumo de alimentos e líquidos inadequados.

Comer carne de porco em excesso pode ser um dos fatores que desencadeiam o surgimento da doença (11, 12). Isso porque, a carne de porco possui componentes que podem se tornar nitrosaminas (13), que são compostos químicos cancerígenos. Isso pode desencadear não só a cirrose, como, também, o câncer de fígado (14).

Essa doença, a princípio, não possui sintomas que podem ser notados pelo paciente. É preciso um exame laboratorial e uma análise clínica de um especialista. Quando a doença demonstra sintomas, como inchaço em exagero e amarelamento dos olhos, ela já está em um estágio avançado.

O tratamento desse distúrbio é realizado para evitar avanço no quadro do paciente, pois, não é possível reverter a doença em si. Ele consiste em uma dieta à base de alimentos com pouco sódio, bem como o pouco consumo de carne vermelha (15).

Atualmente, o único método de cura da cirrose é o transplante de fígado. Este, no entanto, pode demorar muito tempo para acontecer, devido a imensa fila de espera para pacientes que precisam de um órgão novo.

6. Yersiniose

Essa é uma inflamação desencadeada por um grupo de bactérias chamado de Yersinia. Ela atinge, principalmente, o intestino delgado. Esse distúrbio, apesar de não ser tão conhecido popularmente, acomete várias pessoas. Ele pode gerar uma série de outros problemas, como, por exemplo, os Eritemas Nodosos (16).

Os sintomas da Yersiniose podem variar conforme o grau de gravidade da infecção, bem como, a faixa etária dos pacientes (17). Em crianças, geralmente, ela desencadeia diarreia aguda e febre. Já nos adultos, ela pode ocasionar dores fortes no lado direito do abdômen (18).

O consumo de carne de porco está ligado à doença por conta da grande quantidade de bactérias que podem ser transmitidas da proteína para o paciente, incluindo, algumas do grupo Yersinia.

O tratamento da Yersiniose pode ocorrer de várias formas. Uma delas é a hidratação do paciente, tanto de forma oral, como endovenosa. Os antibióticos só são utilizados em casos graves, quando, por exemplo, a doença se alastra para outros órgãos.

7. Teníase

carne de porcoEssa deve ser uma das doenças que podem ocorrer por conta do consumo de carne de porco mal preparada ou de má qualidade mais conhecida pela população. A teníase é um distúrbio que ocorre graças a Taenia Solium, um parasita intestinal encontrada especificamente nos suínos (19).

Assim que o ovo do verme entra no organismo do paciente, o embrião gerado fura a parede do intestino e se aloja no tecido muscular. Quando a pessoa continua a consumir carne mal cozida ou crua, ela acaba desencadeando o ciclo completo do parasita.

Entre os sintomas que podem ocorrer estão:

  • insônia, dores de cabeça,
  • fadiga;
  • dores abdominais,
  • transtornos nervosos;
  • perda de peso;
  • enjoos;
  • alterações do apetite.

Essa doença é bastante séria, pois o hospedeiro pode circular livremente pelo corpo por meio da corrente sanguínea.

Dessa amaneira, o parasita pode chegar até outros órgãos, podendo gerar quadros mais graves, como cegueira, convulsões e até mesmo a morte.

O tratamento para a teníase é feito à base de remédios antiparasitários. É muito importante que a pessoa tome medidas de precaução para evitar que o quadro da doença possa se agravar, evitando carnes cruas ou mal cozidas (20).

8. Triquinelose

É uma doença causada pelo verme Triquinella Spiralis, que pode ser encontrado em carnes mal cozidas ou in natura (21). Ela não é uma inflamação do intestino comum. Basicamente, o que ocorre é que o parasita pode circular livremente pelo organismo causando grandes problemas.

Os sintomas mais comuns da doença são: febre, diarreia, dor muscular, cólicas abdominais, sensibilidade muscular, fraqueza, dores de cabeça, inchaço da faze entre outros. Eles podem ficar mais graves dependendo do estágio de desenvolvimento do verme.

O tratamento também pode variar conforme o quadro do paciente. Basicamente, ele é feito a base de medicamentos. Principalmente o mebendazol e o tiabendazol, que são ingeridos oralmente. No entanto, o paciente pode precisar de analgésicos e corticosteroides para diminuir as inflamações (22).

9. Toxoplasmose

carne de porcoTambém é uma doença causada por um parasita. O verme, chamado de Toxoplasma gondii, pode ser encontrado em alimentos contaminados ou em fezes de gato. Esse parasita pode se hospedar em animais e em seres humanos (23).

Esse hospedeiro leva ao surgimento de um cisto que pode afetar outros órgãos do corpo, principalmente o cérebro, o coração e outros músculos. Se a pessoa infectada tiver um bom sistema imunológico, ele mesmo irá combater o parasita, inativando-o.

Contudo, se o paciente tiver uma resistência mais fraca, a infecção pode se alastrar e causar graves consequências. No caso de mulheres grávidas, por exemplo, a doença pode ser transmitida para o filho durante a gestação.

Entre os principais sintomas da Toxoplasmose estão: febre, fadiga, dor de cabeça e na garganta, coriza, e dores no corpo de forma geral. Por serem muito parecidos com os sintomas da gripe, é muito comum que o paciente não consiga identificar a doença rapidamente.

É importante ressaltar que no caso dos bebês, esses sinais são diferentes. Neles, a doença pode causar convulsões, infecção nos olhos e amarelamento dos dentes. Isso sem contar que a criança pode nascer com os pulmões e o baço maiores que o normal.

A Toxoplasmose é tratada com antibióticos, que podem variar conforme o quadro do paciente. Ele geralmente é rápido, exceto no caso de gestantes e pessoas que tenham doenças que causam deficiência no sistema imunológico.

Além disso, é muito importante que os indivíduos passem a ter uma dieta mais saudável, evitando comer carne de porco, principalmente mal cozida ou crua.

Como se prevenir ao comer carne de porco?

Essas são apenas algumas doenças que podem ser causadas pelo consumo de carne de porco de má qualidade, ou, que não seja preparada da maneira correta. Isso não quer dizer que a proteína animal irá ocasionar diretamente esses distúrbios.

Muitas vezes, o que acontece, é que os microrganismos presentes na carne podem desencadear um quadro de inflamações sérias no corpo do paciente, facilitando, assim, que as doenças citadas acima surjam. Por isso, é muito importante se ter cuidado ao comer carne de porco.

Uma forma é estar atento à qualidade da carne de porco. Verifique sempre se ela provém de lugares confiáveis.

Cuidados ao se preparar e comer carne de porco

carne de porcoNão fique alarmado, apesar dessa proteína animal trazer uma série de riscos, você pode continuar a consumi-la, desde que tome alguns cuidados essenciais na hora do preparo. Eles são muito importantes para que você elimine qualquer bactéria ou vírus que possa transmitir as doenças citadas acima.

  • Armazenamento: Você deve armazenar a carne de porco crua separadamente de outras proteínas animais. Isso porque, dessa maneira, você evita que as enterobactérias passem para outros alimentos.
  • Compre de lugares confiáveis: Na hora de comprar o alimento, certifique-se que o estabelecimento tenha um excelente sistema de armazenamento. Além disso, tenha certeza que a carne não tenha componentes químicos agressivos, como a ractopamina.
  • Evite o excesso: As carnes suínas possuem uma série de componentes antimicrobianos que são adquiridos durante o processo de crescimento do animal. Esses componentes ajudam no desenvolvimento de parasitas. Por isso, evite comer carne de porco com muita frequência.
  • Cozimento: O processo de cozimento é essencial para que você consiga eliminar a maior parte das bactérias da carne. O ideal é que, se ela for fatiada, seja cozida a 60ºC. Já, se ela for moída, o mais indicado é um cozimento a 70ºC.

Esses cuidados são essenciais se você deseja comer carne de porco sem correr tantos riscos. Tenha em mente que eles irão ajudar você a eliminar os parasitas presentes no alimento, bem como, evitar a proliferação de novas bactérias que possam surgir.

A carne de porco não precisa ser sua inimiga

Tenha em mente que a carne de porco não precisa ser sua inimiga. Claro que ela trás uma série de riscos a mais do que outras proteínas animais. Contudo, se bem preparada, ela pode ser consumida tranquilamente. Desde que com moderação.

Lembre-se que qualquer tipo de alimento, principalmente os ricos em gorduras e açucares, se consumidos em excesso, irão prejudicar a sua saúde. Por conta disso, mantenha uma alimentação saudável, que tenha como base produtos frescos e com poucos conservantes.

Além disso, também é muito importante que você desenvolva outros hábitos saudáveis, como, por exemplo, a prática de atividades físicas. Dessa maneira, você conseguirá melhorar o funcionamento do ser organismo, bem como do seu sistema imunológico.

Comer carne de porco pode sim oferecer uma série de riscos. Contudo, se você tomar os cuidados citados anteriormente, é possível consumir o alimento sem medo. Tudo que você precisa é ter mais atenção tanto na hora de comprar a proteína animal, como, também, na preparação.